Back

Mostra de Doçaria Conventual e Regional em Coimbra

A Câmara Municipal (CM) de Coimbra organiza, no próximo fim de semana, a décima edição da Mostra de Doçaria Conventual e Regional de Coimbra, que irá decorrer no Quartel da Brigada de Intervenção (BrigInt), antigo Convento de Sant’Anna, junto ao Estabelecimento Prisional de Coimbra.

A iniciativa, que promove o património doceiro de Coimbra, estará de portas abertas no sábado, das 14h00 às 23h00, e no domingo, das 10h00 às 19h00, sendo de entrada livre.

 A décima edição da Mostra de Doçaria Conventual e Regional de Coimbra conta com a participação de 39 expositores doceiros, um dos quais, Francisco Muñoz, em representação dos doces de Alicante (Espanha). De forma a complementar a vertente tradicional da arte de confecionar doces, juntam-se ao evento as já habituais participações da “Colares Editora” (Sintra) e do artesanato local, representado pela tecelagem de Almalaguês, através da presença da Associação para a Preservação das Tradições Locais “Herança do Passado”, e por Maria José Nogueira, artesã conimbricense, na área dos registos de Santos.

Os expositores representam estabelecimentos comerciais ligados às áreas da Doçaria e Pastelaria e outras Associações/Confrarias do ramo.

A preciosa e doce herança de alguns conventos de Coimbra – Celas, Santa Clara e Santana – estará fortemente representada, através da presença de participantes da região centro, provenientes de Coimbra, Alcobaça, Alfeizerão, Ançã, Aveiro, Guarda, Lamego, Leiria, Lorvão, Ovar, Pereira, Pombal, Santarém, Tentúgal e Tomar. Não faltarão especialidades doceiras, como os pastéis de Santa Clara, o manjar branco, as arrufadas de Coimbra, as queijadas, as talhadas de príncipe, os suspiros, a barriga de freira, a encharcada e o pão de ló.

Mas a notável arte de manusear ingredientes como o açúcar, os ovos ou a amêndoa, entre outros, estará, também, presente nas especialidades doceiras trazidas a Coimbra por expositores oriundos de outros pontos do país, designadamente do Norte (Amarante, Braga, Cabeceiras de Basto, Caldas de Vizela, Felgueiras, Régua e Santa Maria da Feira) e do Sul (Évora, Reguengos de Monsaraz e Sintra).

A abertura oficial do certame realiza-se no sábado, pelas 15h00. Decorrerá, em simultâneo, a apresentação do espetáculo teatral intitulado “Doces picantes”, pela Cooperativa Bonifrates. Trata-se de uma criação baseada numa recolha de textos oriundos de documentos conventuais, que remetem para sentimentos amorosos caraterizados por alguma sensualidade e irreverência face ao contexto social de então.

A 4.ª edição do Concurso de Doçaria Conventual e Tradicional, organizado pela Associação de Doceiros de Coimbra – ADOC, realiza-se pelas 16h00, apelando à adesão dos doceiros que integram a Mostra, com a respetiva entrega dos Prémios prevista para as 15h00 de domingo.

No que respeita à animação do evento, a programação de sábado integra, ainda, uma atuação do Coro Carlos Seixas da Casa do Pessoal do Município de Coimbra, às 17h00. Inédito no certame é a realização de um Sunset, a partir das 18h30, associado a uma performance DJ e à prova de cocktails a partir de bebidas tradicionais.

O encerramento da animação acontecerá pelas 21h30, com um desfile de marchas populares, a cargo da Marcharte – Associação das Marchas Populares Freguesia de Cernache.

No domingo, a Mostra de Doçaria é às 10h00 e a animação começa no período da tarde. Dois espetáculos musicais fecham a programação do último dia da X Mostra de Doçaria Conventual e Regional de Coimbra: o primeiro, às 17h15, pela Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra; o segundo, a cargo da Fanfarra do Exército, sobe ao palco às 18h15, pouco tempo antes do encerramento do evento ao público que acontece às 19h00.

Com a organização de mais uma edição da Mostra de Doçaria Conventual e Regional de Coimbra, que atrai à cidade inúmeros visitantes, a Câmara Municipal de Coimbra pretende proteger e defender o património doceiro de Coimbra no mercado regional, nacional e internacional. Uma marca histórico-cultural identitária que, através desta iniciativa, mantém viva, não só, a herança dos manjares doces de Coimbra como, também, amplia a outras localidades, de norte a sul, a inquestionável importância das tão diversas especialidades doceiras conventuais e regionais existentes no nosso país.

Post a Comment

Share This