Back

Nasceu a Águas do Baixo Mondego e Gândara

Com vista para o plano de água da pista do Centro Náutico de Montemor-o-Velho, foi assinada, no dia 17 de outubro, pelos Municípios de Mira, Montemor-o-Velho e Soure, a escritura pública de constituição de sociedade da ABMG – Águas do Baixo Mondego e Gândara, Empresa Intermunicipal, SA.

No decorrer da cerimónia, o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, ao reiterar que a empresa tem a ambição de ser “uma empresa de referência no setor”, reforçou: “Esta é uma empresa que vai marcar a diferença na região. Esperamos servir de exemplo para que outros municípios se agreguem a nós e, por isso, estamos orgulhosos deste ato que estamos aqui a praticar. Estamos a fazer história antes do tempo”.

No momento, o edil montemorense lembrou “o longo e tortuoso caminho” percorrido nos últimos anos, porém sublinhou: “É uma empresa diferente das demais, gerida por Presidentes de Câmara com a mesma perspetiva com que gerem as Câmaras Municipais. É uma empresa comercial do setor público que visa o lucro, mas cujos presidentes defendem um tarifário justo, de serviço público”.

Ao reiterar a importância da empresa para os três Municípios, o presidente da Câmara Municipal de Soure, Mário Jorge Nunes, manifestou, “não como político, mas como homem”, que o sucesso da ABMG – Águas do Baixo Mondego e Gândara passa por três degraus: “manter o serviço e a qualidade atualmente prestadas“, executar os projetos já aprovados no valor de 8 milhões de euros e que “daqui a meia dúzia de anos, a empresa seja maior que o somatório de Mira, Montemor-o-Velho e Soure”.

De igual modo, Raul Almeida, presidente da Câmara Municipal de Mira, destacou “o trabalho desenvolvido ao longo de quatro anos e que envolveu vários estudos e várias equipas” e congratulou-se por ser uma empresa cujo domínio é da responsabilidade “apenas dos três municípios envolvidos”.

João Ataíde, secretário de Estado do Ambiente, presidiu à cerimónia e deixou palavras de elogio aos Municípios e referiu: “Saúdo os presidentes por terem respondido ao apelo do Governo no que diz respeito ao ciclo urbano da água. Esta é uma grande reforma que é necessário fazer”.
Aludindo à importância da “eficiência e gestão dos recursos”, o governante advogou que “o caminho é o do intermunicipalismo”.

“Seguramente que as populações agradecerão este trabalho e beneficiarão deste bom projeto”, reiterou.
A ABMG – Águas do Baixo Mondego e Gândara vai ter cerca de 30 mil clientes, representando uma população de 53 mil habitantes.

Publicar comentário